O mundo é um lugar extraordinário para o pequeno cachorro ou gatinho, recheado de novas experiências e descobertas, mas também de desafios para a sua saúde e bem-estar. A maior parte das vezes, felizmente, eles não precisam de se preocupar com isso porque as suas mães cuidam deles graças ao seu primeiro leite, “colostro”, que além fonte de alimento é também uma fonte de anticorpos e substâncias bioativas que passam a barreira intestinal nas primeiras horas de vida e que irá ajudar a protegê-los enquanto constroem o seu próprio sistema imunitário.

Infelizmente o efeito do colostro materno vai desaparecendo ainda antes que as suas defesas naturais estejam totalmente desenvolvidas. No desmame o nível de anticorpos, e consequente imunidade, cai atingindo o seu nível mais baixo às 3 semanas, dando-se um “Gap” ou falha imunitária. Justamente quando a sua vida começa a mudar. Por volta dos 2 meses são retirados da mãe e irmãos para se juntarem à sua nova família, nova casa e novo ambiente. É também nesta altura que se dão as primeiras idas ao veterinário e a primovacinação. Tudo isto pode afetar o seu sistema imunitário ficando assim mais predispostos a infeções, diarreias e alterações gastrintestinais, muitas vezes graves.

Felizmente existem já disponíveis no mercado alimentos nutricionalmente completos, suplementados com colostro bovino, também rico em anticorpos e moléculas bioativas. Estudos científicos demonstram que estas moléculas, apesar de não possuírem a capacidade de passar a barreira gastrointestinal após esta encerrar horas após o nascimento, possuem a capacidade de estimular uma resposta imunitária mais forte a ajudar a equilibrar as bactérias “boas” e “más” no seu intestino, a reduzir o risco de alterações gastrointestinais, suportando a sua saúde a longo prazo e ajudando-os a combater os desafios diários.

Devido aos desafios do período de crescimento, os cachorros e gatinhos possuem também requisitos nutricionais diferentes relativamente aos animais adultos. Precisam de mais energia, mais proteínas para o crescimento e desenvolvimento muscular, mais vitaminas e minerais (como cálcio e fósforo para o desenvolvimento ósseo), bem como especiais ácidos gordos essenciais ómega 3 (como o DHA) para o desenvolvimento do cérebro e da visão.

É por isso fundamental que a sua alimentação esteja adaptada a esta etapa de vida, ao tamanho estimado em adulto (raça pequena, média ou grande) e a necessidades especiais como sensibilidade digestiva ou sensibilidade de pele ou pelo. Desta forma, escolhendo um alimento completo de elevada qualidade não há necessidade de introduzir suplementos como vitaminas ou minerais salvo expressa recomendação do médico veterinário assistente.

Embora possam parecer adultos ainda com alguns meses, na verdade os seus ossos estão ainda a desenvolver-se e o seu organismo precisa ainda de muitos nutrientes. É fundamental continuar a alimentá-los com uma alimentação específica para cachorros ou gatinhos até que eles atinjam a idade adulta: 12 meses nos gatinhos, 9 meses em cães de porte pequeno, 12 meses em cães de porte médio e 18 ou 24 meses em cães de porte grande ou gigante. A partir dessa altura, deve alterar-se a alimentação para uma fórmula específica para animais adultos.

Tudo o que pudermos fazer para contribuir para a sua saúde e bem-estar é pouco quando comparado com as alegrias e carinhos que eles nos dão diariamente. Há lá coisa melhor do que um cachorrinho ou gatinho saudável e feliz a correr pela nossa casa!?

 

Ana Isabel Gouveia

Médica Veterinária

Vet Business Development

Nestlé Purina Pet Care

Please follow and like us: