Bem-vindos ao maravilhoso Mundo Felino

Partilhar o dia a dia com um gato é uma experiência muito gratificante! E, se nunca teve um gato e está prestes a ter um na sua vida, confidenciamos-lhe que nunca mais vai conseguir viver sem eles. Vai passar a partilhar a sua vida com um amigo fantástico e, ao contrário do que muitas pessoas ainda pensam, um animal muito afetuoso. Espere uma relação de amor e dedicação, muito divertimento com brincadeiras intermináveis, momentos tranquilizantes de “ronrons” dignos de um verdadeiro SPA e muito… muito… muito mais. Com os gatos é mesmo assim, é um amor para a vida toda!

Antes de ter um gato é importante considerar o que isso vai acarretar nos próximos 15 a 20 anos. Já considerou os custos, as necessidades de atenção, os cuidados veterinários, o que fará quando for de férias? Tudo isso é importante ser pensado e ponderado, preferencialmente com a ajuda de um médico veterinário.

Este mês vamos falar dos “Cinco Pilares do Bem-Estar Felino”, os cinco pilares que precisa garantir para que o seu gato seja um gato feliz!

 

Os 5 Pilares do Bem-Estar Felino

 

1. Disponibilizar locais seguros

O seu gato precisa de locais onde se sinta seguro e protegido, onde possa descansar e até mesmo esconder-se de eventuais ameaças.

Exemplos de locais seguros: debaixo da cama, no interior do roupeiro, uma caixa de cartão, a transportadora ou uma plataforma alta (ex. prateleiras, topo de uma estante).

Estes locais devem estar afastados uns dos outros para que o gato tenha oportunidade de escolha.

Permita o acesso livre a todas as divisões da casa pois o seu gato precisa de total controlo do seu território para se sentir seguro.

Pense como um gato: Já alguma vez se apercebeu que o gato é caçador mas também é presa?

Esta condição natural fá-lo sentir-se vulnerável e em perigo eminente, mesmo no seu território. Ao fornecer locais seguros sem restrições está a permitir que o seu gato controle o seu território e que se “salve” de perigos e “predadores”.

 

2. Disponibilizar recursos ambientais

Os recursos ambientais básicos incluem zonas de alimentação, de brincadeiras, de eliminação e de exploração. Estes recursos devem ser separados uns dos outros para que o gato tenha acesso livre, sem se sentir desafiado por outros gatos ou outras potenciais ameaças.

Zona de alimentação – a comida e a água devem situar-se num local limpo e tranquilo.

Disponibilize vários bebedouros, alguns separados do comedouro. Opte por taças baixas e largas, “amigas dos bigodes”, de modo a que os bigodes não toquem no bordo do prato enquanto se alimenta.

Zona de descanso – qualquer local da casa. Ofereça ao seu gato locais elevados (ex. prateleiras) e locais cobertos (ex. transportadoras, caixas de cartão). Não se esqueça de ter vários arranhadores verticais e horizontais nas zonas onde o gato passa mais tempo a descansar. É importante que os arranhadores sejam grandes o suficiente para que o gato se estique na totalidade no caso de arranhadores verticais e que se possa colocar em cima deles no caso dos arranhadores horizontais. Opte por ter arranhadores de várias texturas (ex. cartão, corda de sisal, madeira, etc.) para que ele possa escolher a que mais lhe agrada.

Zona de brincadeiras – qualquer local da casa onde o gato encontre algo estimulante para caçar.

Zona de eliminação – a zona de defecação e de mição deve ser numa zona calma e tranquila da casa, separada da zona de alimentação. A caixa de areia e o areão devem cumprir alguns requisitos básicos: a caixa de areia deve ter pelo menos o tamanho de uma vez e meia da distância desde o nariz até à ponta da cauda do seu gato; a areia deve ser de textura fina, sem cheiros e que permita a limpeza diária de fezes e de urina (as areias aglomerantes são uma boa opção); o número de caixas de areia disponíveis em casa deve obedecer à regra “número de gatos, mais uma adicional”, ou seja, se tem dois gatos em casa, deverá ter três caixas de areia disponíveis, localizadas em zonas distintas da casa; tenha à disposição pelo menos uma caixa de areia aberta e outra fechada, para que o seu gato tenha opção de escolha.

Zona de exploração – num gato saudável deve corresponder a toda a casa.

Pense como um gato: O seu gato insiste em pedir-lhe água da torneira? Sim, é verdade, os gatos gostam de água fresca e corrente. Quer uma dica Alma Felina? Disponibilize uma fonte de água elétrica, o seu gato vai adorar.

3. Proporcionar oportunidade para brincar e estimular o comportamento predatório

Brincar com o seu gato permite que ele supra a sua necessidade natural de caça, fornecendo estimulação física e mental. Estimule o comportamento predatório do seu gato com o uso de brinquedos interativos que imitam presas (ex. ratinhos, cana de penas). O uso de comedouros “quebra-cabeças” também estimula a ação de caça e proporciona uma alimentação mais natural, reduzindo o risco de obesidade, o tédio e problemas comportamentais.

Pense como um gato: Imagine que está de férias fechado em casa, sem televisão ou acesso à Internet e sem poder receber amigos em casa. O mais certo é que num curto período de tempo fique entediado e passe a maior parte do tempo a comer e a dormir.

Quer uma dica Alma Felina? Disponibilize brinquedos interativos que se ativam através de sensores, o seu gato vai adorar e, além disso, garantimos que ele não o irá acordar durante a noite.

 

 

4. Proporcionar interação social com humanos

Os gatos beneficiam de interação regular e amigável com os humanos. A manipulação consistente e suave com um gatinho estabelece uma forte ligação que minimiza o nível de stress e o medo para com os humanos. Não se esqueça que a tolerância e as preferências de contacto com os humanos varia consoante a fase da vida do gato e de gato para gato.

Pense como um gato: Já se questionou porque é que os gatos têm tendência a preferir as pessoas que não têm particular interesse por gatos? Sim, nós sabemos o que está a pensar! O seu gato sempre se interessou por aquele amigo que entra em sua casa e nem lhe liga nenhuma? Se quer fama de encantador de gatos é simples: dê espaço ao seu gato e permita que seja ele a vir ter consigo.

 

5. Proporcionar um ambiente que respeite a importância do olfato

A informação olfativa é a principal via que os gatos usam para avaliar o seu meio envolvente. Evite odores fortes (ex. detergentes, medicamentos, ambientadores, etc.) que perturbem a perceção sensorial do meio envolvente ao seu gato. Os gatos delimitam o seu território com feromonas faciais, depositando-as ao roçarem-se com a face em objetos, pessoas ou outros animais. É uma atividade diária e necessária para que o ambiente envolvente lhe seja familiar e se sinta feliz. Se o seu gato urinar ou defecar fora do areão não o submeta a nenhum tipo de repreensão, isso só irá agravar o comportamento.

Pense como um gato: Já lhe aconteceu sair com um dos seus gatos (ex. ida ao veterinário) e, ao regressar a casa, os outros gatos da casa ficarem tensos e bufarem? Lembre-se que os gatos usam o olfacto para reconhecer o meio que os rodeia! Ao sair de casa o gato pode adquirir um cheiro distinto ao “odor comunitário da casa” e não ser reconhecido pelos restantes. Separe-os durante um período de tempo e faça troca de cheiros entre os gatos (ex. luvas, mantas).

 

 

No próximo mês continuaremos a falar de tudo o que precisa de saber antes de adquirir um gato. Tem dúvidas se é melhor ter um gato bebé ou um gato adulto? Deve optar por um gato de raça ou por um gato sem raça definida? Com que idade devo levá-lo ao médico veterinário?

Em Novembro prometemos que regressamos com mais novidades sobre o Maravilhoso Mundo Felino!

 

Joana Valente

 Médica Veterinária

Responsável pelo departamento de medicina Felina do

Hospital Alma Veterinária

Please follow and like us: