A coluna dos nossos amigos de quatro patas, tal como a nossa, é composta por vértebras, que articulam entre si e formam o suporte da coluna e albergam a medula espinal. Entre cada duas vértebras, existe um espaço, chamado espaço intervertebral, onde existe o disco intervertebral.

O disco intervertebral é uma estrutura semi-rígida, formada por duas partes: um exterior fibroso e consistente (anel fibroso) e um interior gelatinoso (núcleo pulposo), e funciona como o “amortecedor” entre as duas vértebras. Os discos são particularmente susceptíveis a degeneração, e podem mesmo sofrer herniação, ou seja saída do seu local fisiológico.

 

 

https://www.elwoodvet.net/arthritis-in-dogs-1/

Existem vários tipos de hérnias descritos em cães, mas hoje, vamos apenas focar-nos nas hérnias de extrusão.

As hérnias de extrusão consistem na ruptura da camada exterior do disco (anel fibroso) e extravasamento da camada interior (núcleo pulposo) para dentro do canal formado pela abertura das vértebras, e onde se aloja a medula espinal, chamado canal medular. Com a deposição do material de disco no canal medular, espaço limitado por osso e não passível de sofrer alterações no seu tamanho, o espaço anteriormente ocupado apenas pela medula, passa a conter mais um elemento, fazendo assim com que a medula seja deslocada e comprimida.

E aí é que está o grande problema: a medula espinal funciona como uma rede de fios elétricos, em que cada um transmite uma informação do cérebro aos membros, e vice-versa. Se algum dos fios eléctricos está comprimido, a mensagem que este transmitiria irá sofrer um atraso ou, se a compressão for severa, não será transmitida.

 

http://www.dodgerslist.com/literature/healingpage.htm

 

Que animais podem desenvolver uma hérnia discal de extrusão?

Qualquer cão pode eventualmente sofrer desta doença, mas existem alguns animais que estão em risco, nomeadamente cães condrodistróficos (cães com pernas curtas e “torcidas”): Bulldog Francês, Teckel, Shitzu, Pequinois, Cocker Spaniel, Basset Hound. Ainda Beagle, Yorkshire Terrier e Labrador são outras raças em que encontramos hérnias discais de extrusão.

 

Porque é que esta situação acontece?

Na realidade, ainda não está totalmente definido o porquê do disco intervertebral sofrer herniação. Este pode herniar num estado normal e hidratado ou num estado degenerado (com diferentes graus de calcificação), estando envolvidas diferentes variáveis como factores biomecânicos e stress na articulação, predisposição genética e trauma.

Pode acontecer enquanto o animal está a dormir ou na sequência de um evento traumático para a coluna, onde a biomecânica sofre alteração severa (quer um salto/corrida, queda, atropelamento).

Que tipo de sinais o meu animal pode apresentar?

O sinal mais facilmente identificado pelos tutores é a perda da capacidade ambulatória por parte do animal (não conseguem caminhar), mas existem vários graus de alterações, tendo em conta o local da hérnia e o grau de compressão.

 

Os nossos patudos podem evidenciar:

– Relutância/recusa em fazer movimentos que anteriormente faziam (subir/descer escadas,para a cama/sofá, alterar o comportamento no momento de urinar e defecar, não querer ia à rua);

– Falta de apetite (total ou parcial, apresentando apetite caprichoso);

– Manifestações de dor, que podem ir desde pescoço tenso, gritos episódicos, gritos/tentativa de morder quando se toca na coluna ou nos membros;

– Alteração da forma de caminhar, desde subtil a marcha anómala, com o arrastar de um ou vários membros, marcha desequilibrada;

– Incapacidade de se levantar;

– “Incontinência”;

– Membros muito tensos ou muito flácidos;

– Incapacidade de mover os membros.

 

Se identificar alguma destas alterações, por favor contacte o seu médico veterinário o mais brevemente possível!

 

https://canna-pet.com/intervertebral-disc-disease-ivdd-dogs/

 

No próximo texto falaremos sobre os meios de diagnóstico disponíveis em medicina veterinária, tratamentos possíveis, e como lidar com um animal com hérnia de extrusão!

Até já!

Vânia Evaristo

Médica Veterinária

Hospital Referência Veterinária Montenegro

Please follow and like us: